Um bom projeto de design de interiores deve compreender alguns passos específicos, que visam garantir a finalidade ao qual ele se destina: atendimento total às necessidades e  ao gosto dos moradores ou usuários. Também é dever de um bom projeto obter o melhor aproveitamento possível dos espaços, além de precisão na execução, eliminando problemas de obra e desperdícios desnecessários. Aqui no escritório, adotamos as 4 etapas relacionadas a seguir:

1. LEVANTAMENTO:

Tirada de todas as medidas no local e entrevista a respeito das suas necessidades e expectativas. Vamos te perguntar todos os seus hábitos e querer saber o que pensou e como pretende utilizar cada um dos espaços.

2. ESTUDO PRELIMINAR:

Desenho das possibilidades de ocupação dos espaços em planta. Apresentamos várias opções possíveis, para que você consiga visualizar e decidir a respeito daquelas que mais te agradam, ou ainda, sugira modificações. Esses desenhos são feitos de maneira precisa, com as reais medidas dos ambientes, para que nesse momento já seja possível visualizar os tamanhos dos móveis, áreas de circulação, entre outros. Veja um exemplo desenvolvido para um apartamento, com duas opções de planta:planta-de-design-interioresplanta-design-de-interiores

3. ANTEPROJETO:

Apresentação em 3D para a visualização de todos os espaços. É aqui onde planejamos todos os detalhes dos ambientes, desde a posição de uma gaveta, até a composição de cores, texturas e o moodboard de acabamentos. Também elaboramos nessa fase o planejamento financeiro, com planilha de orçamento para cada um dos itens do projeto. Veja um exemplo de apresentação do anteprojeto:

4. PROJETO EXECUTIVO:

É o projeto final, ou seja, aquele que será utilizado para a quantificação nos orçamentos e utilizado para orientação na obra. Trata-se do detalhamento de cada um dos serviços a serem executados, separados por prestador de serviço ou fornecedor, compreendendo:

  1. planta de alvenaria – com detalhamentos de bases de alvenaria para a sustentação de armários e muretas a construir, além de paredes a demolir ou a construir no caso de reformas.
  2. especificação de pontos elétricos – marcação da posição exata de pontos elétricos novos.
  3. luminotécnico – detalhamento da iluminação, especificando os circuitos, os tipos de luminárias e de lâmpadas.
  4. projeto de forros ou detalhes em gesso – com toda a especificação de detalhes de cortineiros, golas ou qualquer outro elemento nesse material.
  5. área de pisos e rodapés – um projeto específico marcando todas as áreas de pisos que serão utilizados em cada um dos ambientes. Também são especificadas as soleiras ou filetes (quando houver), assim como a quantificação exata e especificação de todos os tipos de rodapés.
  6. detalhamento de marmoraria – serão detalhadas todas as bancadas, soleiras, filetes ou qualquer outros elementos a serem executados em pedra. Também são especificados os materiais e  indicados modelos de louças e metais que acompanham as peças.
  7. paginação de paredes – quantificação e especificação de todos os revestimentos de parede. O desenho de paginação marca, ainda, de onde deve partir o assentamento dos revestimentos, prevendo áreas onde os recortes das peças ficarão mais escondidos.
  8. mapa de cores de parede – especificação de todas as cores em áreas que receberão pintura.
  9. detalhamento de marcenaria – desenho com todos os detalhes e especificação de materiais, incluindo a parte interna de armários.
  10. desenho de serralheria – detalhamento das peças a serem executadas em serralheria, quando houver.
  11. vidros e espelhos – dimensionamento e especificação das peças
  12. cortinas e papéis de parede – quantificação das áreas que receberão papéis, adesivos ou outros similares, além do detalhamento e especificação de cortinas e persianas.
  13. layout – dimensionamento de todo o mobiliário, eletrodomésticos, tapetes e quadros.
  14.  

Deixe uma resposta

Todos os direitos autorais reservados

Open chat
Powered by